Viaduto terá nome de Manoel Mattos

quarta-feira, 9 de setembro de 2009 |

Cerca de oito meses após o assassinato do advogado e vice-presidente do Partido dos Trabalhadores (PT) em Pernambuco, Manoel Mattos, a Comissão de Constituição, Legislação e Justiça (CCLJ) da Assembleia Legislativa rendeu homenagens ao político. No encontro de ontem, os integrantes do colegiado acataram, por unanimidade, o Projeto de Lei nº 1068/09, cujo texto concede o nome do petista e militante dos direitos humanos, na Zona da Mata Norte, ao viaduto da PE-75, localizado no município de Goiana. A matéria é de autoria da deputada Teresa Leitão (PT).

Conhecido por denunciar a atividade de grupos de extermínio naquela região - especialmente de quadrilhas com atuação na divisa dos Estados de Pernambuco e Paraíba -, Mattos foi, brutalmente, executado por dois homens, em janeiro deste ano, na praia paraibana de Acaú. Ex-vereador, o político chegou a ser presidente da Câmara de Vereadores de Itambé, cidade situada a 92 quilômetros do Recife, e ainda participou, como testemunha, da Comissão Parlamentar de Inquérito da Câmara Federal, instalada para investigar crimes de execução.

"A sua morte deve ser lembrada com a saudade de quem vê nele uma representação, na luta pelos direitos humanos. A lei como instrumento de justiça social foi das principais bandeiras da militância de Manoel Mattos", observou Teresa Leitão, enaltecendo a relevância do petista para a Zona da Mata. A parlamentar justificou que, por ser um dos principais acessos da região, o viaduto foi o traçado escolhido para a denominação. "A via está localizada na área que o político militou durante quase dez anos. Fico honrada com a aprovação do projeto, pois a memória de Mattos precisa ser preservada", salientou.

Ao longo da reunião da CCLJ, o relator da matéria, deputado Isaltino Nascimento (PT), acrescentou que a Polícia Federal (PF) concluiu o inquérito sobre a apuração da morte do advogado, já no princípio de setembro. Segundo ele, todos os nomes dos envolvidos no crime foram identificados. Para o desfecho do caso, a PF trabalhou em conjunto com a Polícia Civil da Paraíba. Além de aprovar a homenagem a Manoel Mattos, o colegiado, presidido pelo deputado André Campos (PT), distribuiu outras 14 proposições.

 

Com informações do Diário Oficial

0 comentários: