Economize

quinta-feira, 1 de agosto de 2013 |

Do Uol economia
O economista e professor da FGV-RJ Luís Carlos Ewald, também conhecido como Sr. Dinheiro, dá dez dicas simples e bem-humoradas para melhorar a sua vida financeira. 

1) Qual a melhor forma de se poupar dinheiro atualmente?

A melhor forma de poupar é pagar o dízimo para nós mesmos. Pense assim: eu sou pastor e tenho uma igreja, a Igreja Financeira dos Juros dos Últimos Dias. Todo mês, quando cai o salário, já retiro 10% do valor e deposito numa caderneta de poupança.
Desse modo, a pessoa vai juntar dinheiro até conseguir investir em algo que dê mais rentabilidade. Caderneta de poupança não é para ficar rico: ninguém fica rico desse jeito. A renda fixa serve para juntar dinheiro.
Quando falamos de quantias pequenas, não acho que faça muita diferença guardar o dinheiro em um CDB, ou fundo, ou no Tesouro Direto. Todas essas alternativas dão mais trabalho do que a caderneta de poupança, que é mais fácil para o pequeno investidor, pois ele não tem que entrar em computador, ele pode mudar de banco na hora em que quiser, todo mundo conhece a regra. Mas, claro, rende uma "merreca". Para ganhar dinheiro, tem que investir no mercado de ações na hora certa. Não tem outro jeito.

2) E para quem quer comprar a primeira casa, quais as dicas?

A principal é para que se faça uma pesquisa muito grande do preço à vista para pagar o mais barato possível. Se precisar de financiamento, financie pelo menor valor, pelo menor tempo possível. De preferência, não ultrapasse 15 anos de financiamento. Trinta anos de financiamento são um crime, uma armadilha para as pessoas, que vão comprometer boa parte da renda por um período muito grande de tempo.
Mas, se obtiver um financiamento nos moldes do programa do governo Minha Casa, Minha Vida, vale a pena financiar, pois a taxa de juros é subsidiada. Fora esse caso, a dica é esperar para comprar, porque o mercado imobiliário está começando a entrar em crise, e a bolha vai estourar, ou seja, os preços vão cair.

3) Qual o seu conselho para quem pretende financiar a compra de um carro?

Eu diria para não financiar nada. Diria até que não vale a pena comprar um carro se você percorre menos de 60 km por dia todos os dias em São Paulo, por exemplo. Nesse caso, é melhor andar de táxi.
Em três anos, um automóvel perde 40% do seu valor. Além disso, carro tem custos altos: IPVA, estacionamento, seguro, multa, manutenção, combustível. O pior é a depreciação. Um carro de R$ 25 mil, por exemplo, em três anos vale R$ 10 mil a menos. Some a isso todos os gastos, e veja quanto gastou por dia, ou quanto perdeu por não manter o dinheiro num investimento.
Mas se, ainda assim, quiser comprar o veículo, melhor comprar à vista ou financiar pelo menor tempo possível para pagar menos juros.

4) Qual a melhor escolha na taxa de juros: a pré ou a pós-fixada?

No momento é a pós-fixada, já que a taxa Selic (principal taxa de juros da economia, que norteia todos os contratos) está com tendência de alta. 

5) Como fazer um bom orçamento doméstico?

Anotando todas as despesas para ver o que é supérfluo e o que não é, e tratar de gastar menos do que se ganha, poupando pelo menos 10% da renda. Se você gasta muito com cafezinho em padaria, por exemplo, tem que anotar esse custo também. Tem que anotar tudo, para saber por onde seu dinheiro está escapando

0 comentários: